Enfoque de Xi: Crônica da liderança de Xi na luta chinesa contra o coronavírus (2)

2020-09-07 20:42:40丨portuguese.eacef.js.cn

PONTOS FORTES INSTITUCIONAIS DESEMPENHANDO SEU PAPEL COMPLETO

Xi salientou que é imperativo coordenar as medidas de resposta nacionais para combater o surto, acrescentando que concentrar as forças para realizar grandes tarefas é uma vantagem do sistema socialista da China.

O país inteiro se juntou para enviar ajuda. Todos entraram em ação depois que Xi, como núcleo de liderança do Comitê Central do PCC e do Partido, emitiu suas ordens.

Um grupo central de liderança para a resposta à epidemia foi estabelecido em 25 de janeiro. A vice-premiê Sun Chunlan, membro do Birô Político do Comitê Central do PCC, liderou um grupo central de orientação para supervisionar o trabalho em Hubei por três meses.

"Sejam quais forem as situações ou as necessidades, o grupo pode me telefonar diretamente", disse Xi. Ele fez mais de 100 instruções para o grupo.

Sob a sua liderança, mais de 90 milhões de membros do PCC e 4,6 milhões de organizações de base do Partido se juntaram à batalha.

"O secretário-geral falou que os interesses do povo vêm acima de tudo". Nós, como membros do Partido, devemos estar na linha de frente", disse Xia Jian, secretário de uma filial do Partido no Hospital Zhongnan da Universidade de Wuhan.

Alguns perderam a vida depois de serem infectados na linha de frente enquanto atendiam os pacientes. Liu Zhiming, presidente do Hospital Wuchang, e Li Wenliang, oftalmologista do Hospital Central de Wuhan, estão entre os heróis falecidos homenageados como mártires, um título dado aos cidadãos que corajosamente sacrificaram a vida pela nação e pelo povo.

Funcionários que são membros do Partido também assumiram a liderança e trabalharam 24 horas por dia nas linhas de frente do controle de epidemias, como a construção de hospitais e a produção de máscaras.

Atendendo à ordem de Xi, os militares enviaram seu primeiro grupo de médicos a Wuhan na véspera do Ano Novo chinês. No total, três grupos envolvendo mais de 4 mil funcionários de serviço foram despachados. Suprimentos foram transportados por avião para Wuhan em grandes aeronaves de transporte.

A China mobilizou os melhores médicos, o equipamento mais avançado e os recursos mais necessários para ajudar na luta resoluta contra o vírus em Hubei e Wuhan, com todas as despesas de tratamento cobertas pelo governo, disse Xi durante as "duas sessões".

Robert Kuhn, um dos principais estudiosos americanos sobre estudos na China e presidente da Fundação Kuhn, descreveu a mobilização da China como "sem precedentes" na história da saúde global.

Em toda a China, mais de 42 mil profissionais médicos, incluindo acadêmicos e especialistas renomados, foram enviados para Hubei. Eles enfrentaram tremenda fadiga e estresse e pagaram um alto preço. Mais de 2 mil trabalhadores médicos foram infectados e muitos morreram no cumprimento do dever.

Em Wuhan, 16 salas de exposições e instalações esportivas foram convertidas em hospitais temporários. Dezenas de hospitais foram reaproveitados. Mais de 600 locais foram usados para locais de quarentena. Todas essas medidas ajudaram a adicionar cerca de 3 mil leitos diariamente, amenizando a pressão sobre os leitos hospitalares da cidade.

"O principal aprendizado com a China é a velocidade", disse o epidemiologista canadense Bruce Aylward, que liderou uma equipe de especialistas internacionais organizados pela OMS na China para uma missão conjunta sobre a COVID-19 de nove dias em fevereiro.

Fora da zona duramente atingida, a fabricação de suprimentos médicos foi acelerada, e "passagens verdes" foram abertas. Em pouco tempo, todas as coisas, desde máscaras a equipamentos de suporte de vida, foram levadas às pressas para a linha de frente.

No pico do surto, Hubei tinha mais de 100 máquinas de oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO), cerca de um quarto do total nacional desses sofisticados sistemas de suporte de vida do país.

Xi ordenou alavancar o ponto forte institucional do país de apoio "em pares". Dezenove regiões provinciais foram "emparelhadas" com 16 cidades e prefeituras em Hubei para ajudá-las a conter o surto.

Xi disse que a ciência e a tecnologia são a chave para "finalmente prevalecer sobre o surto". Ele exigiu que a pesquisa seja acelerada para resolver as questões-chave e ao mesmo tempo atenda a todas as normas de segurança.

(Xinhua/Ding Haitao)

Universidades, institutos de pesquisa e empresas em todo o país uniram as forças para desenvolver vacinas, medicamentos e tratamentos. Uma vacina desenvolvida por pesquisadores chineses foi a primeira do mundo a entrar na segunda fase de testes clínicos em 12 de abril. Até 23 de julho, nove empresas na China haviam iniciado os testes clínicos das vacinas contra COVID-19. O uso emergencial das vacinas para COVID-19 também foi iniciado.

Em um país com uma enorme população de 1,4 bilhão, as pessoas agiram em ordem; eles levaram a sério o conselho do Partido e do governo, permanecendo em casa por semanas e praticando o distanciamento social.

Mais de 4 milhões de trabalhadores comunitários foram mobilizados para desinfetar regularmente os espaços públicos, verificar a temperatura corporal, registrar visitantes e levá-los à quarentena, se for necessário.

Em algumas cidades, foi iniciada a administração de redes e a vigilância de bairro para detectar e isolar casos suspeitos e seus contatos próximos o mais rápido possível. Muitos voluntários apareceram para ajudar.

"As comunidades fizeram enormes contribuições para a resposta à epidemia", disse Xi aos trabalhadores comunitários durante uma atividade de plantio de árvores em Beijing. "Olhando para o futuro, ainda há tarefas pesadas pela frente."

Estima-se que a abordagem da China, mobilizando verdadeiramente todo o governo e toda a sociedade, tenha evitado centenas de milhares de casos da COVID-19, de acordo com um relatório da Missão Conjunta da OMS-China sobre a COVID-19.

A revista médica internacional The Lancet disse que há lições importantes que presidentes e primeiros-ministros podem aprender com a experiência da China, destacando o papel das medidas de saúde pública, tais como a vigilância e o rastreamento exaustivo de contatos, para retardar a disseminação da infecção.

A luta contra a COVID-19 na China oferece três experiências importantes para o mundo: falar com o público, retardar a transmissão da doença e preparar os sistemas de saúde para um pico na demanda, de acordo com a revista londrina The Economist. (Continua)

Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo:

Telefone: 0086-10-8805-0795

Email: portuguese@eacef.js.cn

010020071380000000000000011100001393495901